Colégio Cerimar

I - FILOSOFIA DA INSTITUIÇÃO

Sabemos que as pessoas têm diferentes saberes e interesses, necessidades, habilidades, competências, contextos sócio-emocionais, histórias e potencial e que essas diferenças produzem, ao longo da vida do aprendiz, a singularidade de cada um. Compreender que existem as diferenças entre as pessoas faz parte da formação doeducador. Se a escola responde às necessidades proeminentes do contexto em que ela está inserida e muda sua prática e seu pensar para entender a demanda social, ela continua cumprindo a sua função formadora e continua sendo escola.
Por essas razões, é que o Colégio opta pela visão holística, mesmo porque o SER humano é complexo, não se fragmenta no seu processo de aprendizagem, ele é um perfeito sistema onde o “coração” não se desliga do afetivo; o cognitivo não se desliga do “prazer”; o neurológico não se desliga dos seus movimentos e a sua emoção, sentimento é um estado de “espírito”. Olhar as partes seria o mesmo que romper com a grandiosidade e a sabedoria da criação perfeita do SER humano.
O que significa SER integral? Para entendermos é preciso renovar os conceitos de Educação e de homem, para propor com proveito sugestões de como e com que finalidade se deve educá-lo.
A primeira questão que se põe ao tratarmos da Educação é a do SER do homem. O objeto, o meio e o fim da Educação é o homem – por isso importa antes de qualquer coisa refletirmos sobre a sua origem, sua natureza e sua finalidade.
Entretanto, raros têm conseguido uma visão equilibrada e verdadeira do que seja o homem. Isso porque cada estudioso se entrincheira em seu domínio de pesquisa,atendo-se apenas à sua perspectiva particular. Uma visão sintética, que tome em consideração todas as visões parciais, ainda está longe da maioria.
A visão holística busca e se propõe a levar em conta os dados de todas as áreas do conhecimento – Ciência, Filosofia e Religião – e incorpora o princípio da evolução do conhecimento. Assim, o que hoje afirmamos sobre o homem como verdade poderá adquirir amanhã novas dimensões conceituais, pelo avanço das pesquisas humanas e pelo progresso da capacidade do homem em compreender a si mesmo e ao universo.
Podemos, então, fazer algumas afirmações que nos orientem na compreensão do ser do homem, apesar da relatividade do nosso saber, sempre sujeito à lei do progresso, que:

a) O homem é um ser animal – nasce, cresce, reproduz, envelhece e morre. Ele é especial no reino animal, porque é dotado da inteligência e da Racionalidade.
b) O homem é um ser social – a dependência física em que nasce; a constituição natural da célula familiar; a necessidade de cooperação com seu semelhante para sobreviver; a própria carência de afetividade que todo ser humano manifesta, são alguns fatores que indicam a sociabilidade inerente ao homem.
c) O homem é um ser espiritual – a sua razão, seus sentimentos, suas lembranças, seu saber e suas qualidades morais, seu eu, enfim demonstram que é especial e todas essas manifestações sobrevive ao corpo e cujo destino é o aprimoramento. A inclinação natural do ser humano para o próximo, a necessidade de viver em comunhão com outros de sua espécie, revela fraternidade entre os homens. Pela sua natureza inteligente e criadora, sua potencialidade infinita de saber, amar e criar ficam evidentes que o homem é especial.

Diante de todas essas manifestações que são próprias de cada individualidade, é preciso repensar em uma prática sensata da Educação. Quem compreende o que é o homem, em sua essência, respeitará o caráter de singularidade que cada ser humano possui. É preciso saber definir as seguintes questões: 

a) O QUE É EDUCAÇÃO
O que se entende muitas vezes por Educação é apenas o processo de integração da criança na sociedade, ou seja, é sinônimo de socialização. Esse conceito é teorizado tanto por certas correntes de pensamento quanto praticado empiricamente pela maioria, se maior reflexão.
Evidentemente, a Educação tem um aspecto socializado, mas socializar deve significar: 
1) familiarizar a criança com a cultura e a organização social em que está inserida, mas não modelá-la absolutamente de acordo com esses padrões. O desenvolvimento da capacidade crítica, da criatividade e da autonomia do pensamento afasta esse perigo; 
2) despertar na criança o sentido de justiça, solidariedade e amor ao próximo, porque esses são os valores essenciais para a formação de uma sociedade justa.
Educação é toda influência exercita por um ser humano sobre outro, no sentido de despertar um processo de evolução, onde o educando promove autonomamente o seu aprendizado moral e intelectual. 
Educar é, pois elevar, estimular a busca da perfeição, despertar a consciência, facilitar o progresso integral do SER. 

b) FINALIDADE(S) DA EDUCAÇÃO
É despertar a capacidade de auto-instrução, é formar pesquisador da verdade, o amante da sabedoria, é provocar um ímpeto de busca e não apenas entregar algumas informações.

c) O PODER DA EDUÇÃO
Educar, tanto para os fins da existência presente, quanto para as nossas metas a serem alcançadas, deve ser uma ação que desperte de maneira equilibrada e integrada todas as forças do homem. A educação deve se dirigir ao sentimento e à inteligência, deve formar pessoas saudáveis de corpo e alma.
Pestalozzi (1746-1827) educador suíço numa visão holística do SER humana resumiu: “...onde é preciso educar o coração, a cabeça e as mãos.” Por educar o coração entendia fazer brotar o amor a Deus e ao próximo; com educar a cabeça, referia-se a formação da inteligência, não no sentido de entupir a memória de informações, mas desenvolver o ímpeto de observar, analisar, deduzir e pensar; educar as mãos era para estimular atividades manuais e o trabalho em geral, quanto cultivar a agilidade, a saúde e a harmonia do corpo.

d) REQUISITOS DO EDUCADOR
Como podemos perceber, o princípio, o meio e o fim da Educação é o SER humano.Por isso o foco principal pedagógico deve recair sobre o educador, o educando e a relação entre eles. Se o educador estiver compenetrado de sua missão, se o relacionamento com o educando for baseada no amor, confiança e nos elevados objetivos da evolução humana, o resto se torna secundário.

A capacidade para educar, está muito além dos conhecimentos técnicos adquiridos num curso de Pedagogia. Ser educador é muito mais do que ser professor. Não basta conhecer teorias, aplicar metodologias, é preciso uma predisposição interna, uma compreensão mais ampla da vida, um esforço sincero em promover a própria auto-educação, pois o educador verdadeiro é aquele que, antes de falar exemplifica; antes de teorizar sente e antes de ser um profissional é um SER humano. Ser educador é fazer história juntamente com o educando.
Não esqueçamos que, a primeira instituição educacional da criança está na família. É no lar que terá os primeiros contatos sociais, morais, culturais e, os primeiros estímulos para o seu avanço nas áreas científicas.
Educar é um ato de amor, um compromisso que assumimos para com o nosso próximo. 


II - METODOLOGIA

Nessa visão holística do SER, a proposta pedagógica está norteada pelos Parâmetros Curriculares da educação, pelas Diretrizes da Organização Educacional, segue o pensamento sócio-construtivismo, visa integrar os conteúdos pedagógicos ao mundo que vive a criança, com uma estrutura atual, moderna , dando ênfase na qualidade do ensino e fundamentada sobre valores humanos (morais e culturais) – responsabilidade, autonomia, cooperação, solidariedade, à paz, à democracia, aos direitos humanos, ao meio ambiente e a diversidade étnica, sempre valorizando as potencialidades individuais do educando, onde deverá capacitar o aluno a:

· Aprender a conhecer: exige um aprender a aprender, incluindo domínio dos próprios instrumentos do conhecimento. 
· Aprender a fazer: está vinculado ao aprender a conhecer, transformar o conhecimento adquirido em ações que contribuam para p aperfeiçoamento da sociedade, profissional ou social. 
· Aprender a viver junto, a viver com os outros, com compreensão e respeito. 
· Aprender a SER: congrega aprendizagens anteriores. Num mundo de mudanças, a inovação social e econômica faz-se fundamental e requer criatividade, imaginação e iniciativa. Aprender a ser, retoma a idéia de que todo ser humano deve ser preparado inteiramente – espírito e corpo, inteligência e sensibilidade, sentido estético e responsabilidade, ética e espiritualidade, para elaborar pensamentos autônomos e críticos para formular os próprios juízos de valores para poder decidir, por si mesmo, como agir em diferentes circunstâncias da vida.

A proposta Pedagógica do Colégio Cerimar, reúne princípios dos educadores:

· Célèstin Freinet: a pedagogia do trabalho, da observação, cooperação, do sucesso com técnicas e dinâmicas. 
· Henri Wallon: a afetividade é a porta de entrada do conhecimento. Wallon concebe o homem como sendo genética e organicamente social e a sua existência se realiza entre as exigências da sociedade e as do organismo. 
· Lev Semenovich Vigotsky: vê o homem como sujeito social que ganha suas características na mediação com o meio através de instrumentos e signos; assim a linguagem ganha valor especial. Quanto mais rico de informação o meio, mais ampla será a aprendizagem 
· Jean Piaget: a criança contribui para construção de seu próprio pensamento. Experiências anteriores servem de base para novas construções. Atividades de cooperação, num ambiente de respeito mútuo, embasado na afetividade, auxiliarão a criança no longo processo de descentração, conduzindo-a gradativamente da heteronomia para a autonomia moral. 
· Johann Heinrich PESTALOZZI: educação é “o desenvolvimento natural, progressivo e harmonioso de todos os poderes e faculdades do ser”. Mas esta educação não ocorre por meio de palavras e aulas frias. Para Pestalozzi é preciso que a prática pedagógica precisa ser praticada e vivenciada com amor.

 

Para fortalecer a proposta pedagógica, o método específico do Colégio, tem em vista a qualidade da formação oferecida a todos os educandos e educadores, visando uma prática educativa adequada às necessidades sociais, políticas, econômicas, culturais da realidade brasileira. Sabe-se que um único método não é suficiente para se chegar ao aprendizado como um todo, respeitando a individualidade de cada educando, torna-se necessário extrair aspectos positivos de cada um, aliando-as às mais modernas técnicas de ensino.

Pestalozzi (1927) inspirado pelo amor a profissão, de forma poética conclui:

“O amor se desenvolve pelo próprio ato de amar, o pensamento pelo próprio ato de pensar, enfim, a criança aprende, ou seja, o SER evolui vivendo, sentindo, agindo, participando das experiências naturais da vida, vivendo um ambiente estimulador de suas qualidades interiores...”
“Qual a semente plantada perto de águas fertilizantes, a criança em um ambiente adequado, verá germinar suas qualidades superiores. As águas fertilizantes representam as criaturas que lhe cercam, os pais, professores, amigos, as atividades e o ambiente geral que lhe cerca de vibrações estimulantes das qualidades superiores. Recebendo o estímulo das qualidades superiores acorda, ressurgindo do estado de latência e imprimindo-se no SER para sempre.”


Veja tambem nossos Cursos!

  • A proposta visa atender as necessidades e desenvolver as habilidades dos/as jovens.

    Veja Mais

  • O computador tem provocado uma revolução na educação.

    Veja Mais

  • A musicalização é o processo de construção do conhecimento musical.

    Veja Mais